jusbrasil.com.br
17 de Outubro de 2019

Marcelo Odebrecht é condenado a 19 anos e 4 meses de prisão na Lava Jato

Empreiteiro é acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Ylena Luna, Administrador
Publicado por Ylena Luna
há 4 anos

Atualizada às 12h01

O empreiteiro Marcelo Odebrecht, ligado a Odebrecht, maior empreiteira do País foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro, a 19 anos e 4 meses de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa na Operação Lava Jato, nesta terça-feira, 8. Foram sentenciados com a mesma pena e pelos mesmos crimes, no processo, os executivos Márcio Faria e Rogério Araújo, ex-diretores da Odebrecht.

Também foram condenados os executivos César Ramos Rocha e Alexandrino Alencar, ligados à Odebrecht, os ex-funcionários da Petrobrás Renato Duque, Paulo Roberto Costa e Pedro Barusco e o doleiro Alberto Youssef.

Moro fixou multa de R$ 108.809.565,00 e US$ 35 milhões aos cinco executivos ligados à Odebrecht e a Renato Duque. Segundo ele, este é “o valor mínimo necessário para indenização dos danos decorrentes dos crimes, a serem pagos à Petrobras, o que corresponde ao montante pago em propina à Diretoria de Abastecimento e à Diretoria de Serviços e Engenharia e que, incluído como custo das obras no contrato, foi suportado pela Petrobrás”.

Marcelo Odebrecht, Márcio Faria e Rogério Araújo estão presos desde 19 de junho de 2015 quando foi deflagrada a Operação Erga Omnes, 14ª fase da Lava Jato. O período em que eles estão presos ‘será computado para fins de detração da pena’.

“Considerando a gravidade em concreto dos crimes em questão e que os condenados estavam envolvido na prática habitual, sistemática e profissional de crimes contra a Petrobrás e de lavagem de dinheiro, fica mantida a prisão cautelar vigente contra Marcelo Bahia Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht, Márcio Faria da Silva e Rogério Santos de Araújo”, determinou Moro.

Marcelo Odebrecht condenado a 19 anos e 4 meses de priso na Lava Jato

Marcelo Odebrecht condenado a 19 anos e 4 meses de priso na Lava Jato

ÍNTEGRA DA SENTENÇA

O juiz federal Sérgio Moro afirmou, em relação a Marcelo Odebrecht que “a prática do crime corrupção envolveu o pagamento de R$ 108.809.565,00 e US$ 35 milhões aos agentes da Petrobrás, um valor muito expressivo”. O magistrado destacou que ‘um único crime de corrupção envolveu pagamento de cerca de R$ 46.757.500,00 em propinas’.

Sobre Rogério Araujo e Marcio Faria, o juiz destacou que “o crime corrupção envolveu o pagamento de R$ 108.809.565,00 aos agentes da Petrobrás, um valor muito expressivo. Um único crime de corrupção envolveu pagamento de cerca de R$ 46.757.500,00 em propinas.”

Outros dois executivos ligados ao Grupo Odebrecht também foram condenados. O ex-diretor Alexandrino Alencar pegou, por corrupção e lavagem de dinheiro, 15 anos, sete meses e dez dias de prisão. “A prática do crime corrupção envolveu o pagamento de US$ 35 milhões de dólares à Diretoria de Abastecimento da Petrobrás, um valor muito expressivo”, afirmou Moro sobre o executivo.

Cesar Ramos Rocha foi sentenciado a 9 anos, dez meses e vinte dias por corrupção e associação criminosa. “A prática do crime corrupção envolveu o pagamento de R$ 54.404.782,50 à Diretoria de Abastecimento, um valor muito expressivo. Um único crime de corrupção envolveu pagamento de cerca de R$ 23.378.750,00 em propinas”, destacou Moro.

O doleiro Alberto Youssef, personagem central do escândalo, foi condenado por corrupção e lavagem a vinte anos e quatro meses de prisão. Os ex-diretores da Petrobrás Renato Duque (Serviços) e Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e o ex-gerente executivo da estatal Pedro Barusco pegaram a segunda pena mais alta deste processo. Os executivos foram sentenciados pelos crimes de corrupção e de lavagem de dinheiro a vinte anos, três meses e dez dias de prisão.

Como fizeram delação premiada, as penas de Alberto Youssef, Paulo Roberto Costa e Pedro Barusco foram suspensas.

“Em decorrência da condenação pelo crime de lavagem, decreto, com base no art. , II, da Lei nº 9.613/1998, a interdição de Alexandrino de Salles Ramos de Alencar, Cesar Ramos Rocha, Marcelo Bahia Odebrecht, Márcio Faria da Silva, Renato de Souza Duque e Rogério Santos de Araújo, para oexercício de cargo ou função pública ou de diretor, membro de conselho ou de gerência das pessoas jurídicas referidas no art. 9º da mesma lei pelo dobro do tempo da pena privativa de liberdade”, determinou Moro.

Empreiteiros.

Com a decisão desta terça, Odebrecht já é o sexto grande empreiteiro condenado na Lava Jato pelo juiz Sérgio Moro. Até então, já haviam sido condenados os membros ligados à cúpula das empresas Mendes Junior, OAS, Galvão Engenharia, Engevix e Camargo Corrêa. A maioria dos executivos se afastou dos cargos após se tornarem alvos da operação.

Sérgio Cunha Mendes, ex-vice-presidente da Mendes Junior também pegou 19 anos e quatro meses de prisão. Dono da Engevix, o empresário Gerson de Mello Almada foi condenado a 19 anos. Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, foi sentenciado a 16 anos e quatro meses de reclusão. Dário de Queiroz Galvão, sócio do grupo Queiroz Galvão e um dos principais dirigentes da empresa pegou 13 anos e dois meses de prisão.

Dalton dos Santos Avancini, ex-presidente da Camargo Corrêa que fez acordo de delação premiada, pegou 15 anos e dez meses de reclusão. Graças ao seu acordo, contudo, ele já cumpre sua pena em regime domiciliar e poderá cumprir o regime aberto já em 2018.

Fonte: estadão

69 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? (Marcos 8:36)

Melhor é um pedaço de pão seco com paz e tranqüilidade do que uma casa onde há banquetes, e muitas brigas. (Provérbios 17:1)

;) continuar lendo

Eu acho que os provérbios preferidos dele passariam por algo como:
1- De que adiante um homem ter alma, se ninguém a comprar por valor algum?
2- Melhor um banquete regado a Dom Perignon com muitas brigas do que um pão seco naquela chata e monótona tranquilidade.

Ainda estamos no Brasil e ele ainda tem muito dinheiro. Mas valeu muito o exemplo, a quebra do mito. continuar lendo

A pena de Marcelo Odebrecht até que não foi tão dura assim. Ele agora pode recorrer em liberdade graças a presunção de sua inocência (C.F. art. , LVII). Se, no prazo de vinte anos, a sentença do juiz Sérgio Moro não for confirmada em segunda instância, sua pena estará extinta pela prescrição. Não é uma beleza esse nosso Brasil? continuar lendo

Eu diria que os provérbios deveriam ser:

Pois, que adianta ao homem ser condenado se não vai perder sua liberdade?

Melhor é um bilhão no bolso com paz e tranquilidade do que um trabalho honesto, pouco dinheiro e muitas brigas (especialmente em casa).

Pena deveria ser assim:

1º. devolve tudo o que roubou com correção;
2º multa sobre este valor (um variação de danos punitivos);
3º prisão sem regalias e a pena toda no fechado.

Tem que atacar a liberdade e o bolso ... hoje o cara sai daqui uns 2 anos com uma fortuna garantida. Corrupto não é digno de pena. Corrupção é a mãe de todos os crimes. continuar lendo

Armpit Lover, pena no Brasil é sobreviver com um salário mínimo. Sugiro que se estude a sua aplicação para os crimes de colarinho branco. continuar lendo

O núcleo político não é de competência dele senhores! continuar lendo

O Dr. Bruno esclareceu de forma simples e conclusiva. continuar lendo

Vergonha deste Judiciario ISIS corrupto. Moro ganha salário de 77 mil reais, ilegal, comete varias ilegalidades junto com a foca tarefa, abuso de poder (excesso de prisões preventivas, coerções, condenações baseado em ilações e sem provas, ilegalidades, conflitos de interesses (psdb e shell, Moro, sua família e sua mulher), prevaricação (nunca investigam Aecio citado 3 vezes na mesma operação), e somos obrigados a acreditar que ele é "isento". Por legalidade no judiciário brasileiro, nazifascismo é crime na Europa, mas em terras tupiniquins caciques, coronéis, capitães do mato, aparelharam o sistema judiciário e querem mandar no país como santos inquisidores. Vergonha. Absurdo. continuar lendo

Sério? Ou é Ironia. continuar lendo

Acho que está falando sério... rsrsr continuar lendo

Sra. Cristina, custo a acreditar que a real intenção de suas palavras seja a indignação.
A indignação nacional evidente é a decorrente da maior soma em dinheiro desviada do erário público da história, pasme, mundial.
A divisão social pretendida pelo estado, criando clara animosidade entre setores sociais e políticos enfraquece a corrente clara de pensamento. continuar lendo

Cristina Gomes, pelas sua indignação suponho que esteja advogando alguma causa de algum destes "facínoras" e esteja perdendo esta causa.
Não há explicação para qualquer ser humano com razoável domínio das faculdades mentais, que more no Brasil e tenha sua família como, seus pais, seus filhos, seus irmãos, e queira defender um bando de ladrões e corruptos, colocando-se contra um homem da justiça que está "tentando" lavar a alma dos brasileiros.
Pense bem em sua posição frente a estes parentes e frente à sociedade ao tomar tal "partido". Em qualquer momento, e por mais que sejam as vantagens que esteja tomando agora, haverá um em que a vergonha em defender bandidos será maior... continuar lendo

Eu fico com a convicção que já passamos por momentos recentes em nossa história onde o assalto aos cofres públicos era cem vezes maior do que os ora noticiados.
"Claro, se equívocos e abusos foram cometidos nos procedimentos da operação lava Jato, eles devem ser corrigidos. Entretanto, como dizem os procuradores da força-tarefa, não se deve demolir um prédio inteiro porque se encontrou um vazamento na tubulação."

Será que nos casos das Operação Satiagraha e Operação Castelo de Areia alguém lembrou de fazer esta defesa enfaticamente?
Em outros casos onde os réus eram do PSDB ou ligados a este partido, registro a minha estranheza à coincidência de sempre tudo prescrever ou se ter uma apuração ilegal ou ser desprezada a delação por considerá-la insuficiente, como nos casos do TRENSALÃO e de FURNAS.
Podemos acrescentar a compra de votos para aprovação da emenda da reeleição, a privataria, a CPI da Pasta Rosa que nasceu morta por conta de ter sido institucionalizado o PROER, como do desejo (ou até mais do que isto) do Antonio Carlos Magalhães, 194 etc's........

Existe algo mais vergonhoso, claro, deve haver, do que o ocorrido no Mensalão do DEM, que sentou-se em cima do processo até que prescrevessem as penas de seus dois principais articuladores?

E o Paulo Francis, que em 1997 denunciou que todos os diretores da Petrobrás eram corruptos e tinham conta na Suíça (o Ceveró já estava lá), acabou morrendo de desgosto pela imensa perseguição que sofreu por ter colocado a boca no trombone.

SAMARCO
A Lava Jato, para atingir seus objetivos na área criminal, segundo o meu entendimento, desprezou em 100% os vultosos impactos sociais lastimáveis decorrentes de seu modus operandi, derrubando em cerca de 2% o PIB brasileiro, desempregando centenas de milhares de brasileiros e provocando uma violenta queda de arrecadação de impostos em inúmeros municípios e por aí vai.
Todo o gigantesco impacto negativo destas perdas foram jogados sobre os ombros do Governo.
De outro lado, agora temos a lama toxica da SMARCO, cujos mais de 200 milhões de metros cúbicos se acumularam por 12 anos, durante os Governos psdbistas em Minas.
De se lembrar que, neste período, o Estado foi 5 vezes consecutivas (4 vezes com o Aécio) recordista nacional em desmatamento da mata amazônica. Foram licenças à torta e à direita e uma destruição dantesca do meio ambiente.
Digam-me com toda a sinceridade se, no caso de a Vale ainda pertencer ao Governo (mais ainda, se o Genoíno e o Dirceu fossem diretores da SAMARCO) e todos os ônus terríveis decorrentes de uma operação nos termos da lava Jato pudessem ser jogados no colo do executivo, teríamos ou não uma nova Lava Jato com todas as consequências diabólicas da original na área social?

O caso BANESTADO e o primeiro acordo de delação premiada (uma piada de mau gosto) entre o Moro e o Youssef.

110 milhões de desvio:
A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), declarou a extinção da punibilidade em relação ao deputado federal Nilson Leitão (PSDB) por dois crimes (fraude em licitações e quadrilha) em consequência da “prescrição da pretensão punitiva”. Trata-se de ação penal decorrente da operação Sanguessuga (deflagrada pela Polícia Federal em 2006) e movida pelo Ministério Público Federal (MPF), que também reconheceu a prescrição.

O Helicoca do Perrela, amigaço do Aécio. Coitado do advogado do piloto que ficou andando em BH para saber quem gostaria de ouvir a delação premiada de seu cliente. Ficou na mão, óbvio.

O Supremo Tribunal Federal (STF) condenou, nesta quinta-feira, o deputado federal Jairo Ataíde Vieira (DEM-MG) pela veiculação, em redes de televisão de abrangências local e estadual, com verbas públicas, propagandas de sua administração com caráter de autopromoção, à época em que ocupou o cargo de prefeito do Município de Montes Claros (MG). O Plenário, porém, ao julgar a Ação Penal (AP) 432, declarou extinta a punibilidade pela ocorrência da prescrição.

E o Escândalo das Parabólicas?
Trata-se de uma prova definitiva e inequívoca do conluio do Conglomerado Globo com o PSDB para trair o povo.
Parte 1
https://www.youtube.com/watch?v=NEBy8-T8-5k
Parte 2
https://www.youtube.com/watch?v=QCNKXRm3Bq4
Nestes vídeos temos o Ministro da fazenda do PSDB, combinando com o seu cunhado, o jornalista Carlos Monforte da Globo, uma traição à Pátria do mais alto grau.
A Globo ficaria à disposição do Ministro para que ele fizesse campanha de forma ilegal para a eleição do FHC em 1994.
O Monforte, inclusive, pede informação sobre o próximo índice de inflação a ser divulgado, o que vale uma fortuna no mercado financeiro e o Ministro presta uma informação completa a ele, mas isto é nada perto da gravidade do que planejavam contra o povo.
Foram flagrados por antenas parabólicas, cujo teor, ao vivo e a cores, está disponível na internet.
Não restou outra alternativa ao Itamar Franco a não ser demitir o Ministro no dia seguinte.
Ninguém foi preso ou sequer respondeu processo.
Para bater todos os recordes mundiais de soberba, o FHC, quando tomou posse em 1995, nomeou este traidor flagrado e demitido para ser embaixador do Brasil na Itália. O que, obviamente, só foi possível graças a uma gigantesca cumplicidade da grande mídia.
Já pensou cassar o Delcídio agora e ele ser nomeado embaixador ano que vem. Diz ai: o mundo acaba, certo?

Eu considero risível qualquer análise comparando o nível de corrupção em determinados períodos, quando se despreza a denúncia feita pelo ex-ministro Joaquim Barbosa, então Presidente do STF, onde afirmava que a grande mídia brasileira é conservadora e tem tendência de direita. Foi elegante e sucinto, como lhe caberia em uma Conferência Internacional, pois quem não sabe exatamente o que representa a nossa grande mídia?

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL
Barbosa aponta falta de pluralismo na imprensa
3 de maio de 2013, 16h04
O ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal, acredita que a imprensa brasileira não contempla a igualdade racial e critica a concentração da mídia em três jornais de abrangência nacional que “TENDEM PARA A DIREITA”. Em evento na Costa Rica, nesta sexta-feira (3/5), para discutir a liberdade de imprensa.
Barbosa foi o orador principal da Conferência Internacional em Comemoração ao Dia Mundial pela Liberdade de Imprensa, promovida pela Organização das Nações Unidas e denunciou a grande mídia brasileira.

A meu ver, quem não defende a urgente regulamentação da mídia, para que possamos, finalmente, contar com uma Imprensa Livre, trai de forma contundente à Pátria.

Lembremos do ensinamento de Pulitzer:
JOSEPH PULITZER ( 1847 - 1911 )
"Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma".

Ou das considerações de um grande brasileiro:
Millôr Fernandes
A imprensa brasileira sempre foi canalha. Eu acredito que se a imprensa brasileira fosse um pouco melhor poderia ter uma influência realmente maravilhosa sobre o País. Acho que uma das grandes culpadas das condições do País, mais do que as forças que o dominam politicamente, é nossa imprensa. Repito, apesar de toda a evolução, nossa imprensa é lamentavelmente ruim. E não quero falar da televisão, que já nasceu pusilânime

Igualmente, considero risíveis as comparações sobre o nível de corrupção em determinados períodos, quando não se leva em conta por não saber ou por conveniência partidária como eram as coisas no período de 1994 a 2002.
A corrupção existe desde sempre e pela primeira vez ela é combatida de fato.
Quem destruiu os mecanismos que permitiriam que isto ocorresse antes e quem construiu aqueles que permitem o que vemos agora?
Chamemos por testemunha fatos facilmente comprováveis pela mais simples pesquisa.
A Polícia Federal foi completamente inoperante na era FHC. Em meu sentir, diante de tudo que ocorreu naqueles 8 anos, por total conveniência do executivo de então.
Enquanto a delegacia do meu bairro faz mais de uma centena de investigações por mês, a PF de FHC fez somente 48 em oito anos (seis por ano).
A PF foi recriada por Lula. Isto é fato inquestionável por qualquer jurista a que você recorrer para se informar. É unânime reconhecer que foi o Ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos, nomeado e escalado por Lula para esta função, quem refundou a PF e a tornou esta potência atual.
Wikipédia
Como ministro da justiça do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, destacou-se pela reestruturação da Polícia Federal, bem como também pela aprovação da Emenda Constitucional 45 (conhecida como a Reforma do Poder Judiciário), e pelo Estatuto do Desarmamento; pela Homologação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, iniciativa das comunidades indígenas; e pelo início da reestruturação do Sistema Brasileiro de Concorrência (esse iniciado durante sua administração junto ao governo Lula), pela criação do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional - DRCI[5] e pela Estratégia Nacional de Combate à Lavagem de Dinheiro - ENCLA[6] depois modificada para incluir o combate à Corrupção, passando a se chamar Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro - ENCCLA.

FHC ao tomar posse, junto com o seu vice Marco Maciel (oriundo da ARENA, o partido do golpe militar), nomeou o primo irmão deste, o Sr. Geraldo Brindeiro, para Procurador Geral da República, o qual, depois ficou conhecido mundialmente como o Engavetador Geral. O FHC reconduziu este PGR ao cargo por três vezes consecutivas, desprezando sempre os indicados pelas listas tríplices apresentadas pelos procuradores. O Sr. Geraldo arquivou centenas de denúncias crimes contra o governo de FHC. Só para registro, o Lula e a Dilma sempre acataram as indicações dos procuradores.
Aqui o FHC pode até contar com toda a proteção midiática, mas lá fora ele já passou maus lençóis para tentar explicar estes fatos.
Recomendo que assista ao seguinte vídeo internacional (1:48 m):
FHC no programa "Hard Talk", na BBC, em outubro de 2007
https://www.youtube.com/watch?v=JDgeZXB1VIA

Este negócio de desprezar o indicado em lista tríplice às vezes pode dar dor de cabeça forte. Isto é, para quem tem consciência e acha a dignidade algo importante.
Certa feita, o Aécio dispensou o indicado na tal lista e nomeou um Desembargador de sua preferência. Algum tempo depois este Desembargador foi preso junto com o primo irmão do Aécio por estarem vendendo sentenças. Brasililililil !!!!!!!

Dá para passar um dia inteiro apontando fatos do tipo:

Petrobras perde US$ 220 mi com turbinas
A Folha apurou que essas seis turbinas custaram cerca de US$ 220 milhões e foram encomendadas há dois anos, quando o governo lançou o programa prioritário das termelétricas.
A Petrobras não vai utilizar essas seis turbinas porque a empresa reviu no ano passado os seus investimentos nas termelétricas, que deveriam entrar em operação até 2003. Agora, o plano foi adiado por tempo indeterminado.
A Petrobras ainda não decidiu o que fará com as seis turbinas. No final do ano passado, ainda durante a gestão de Henri Philippe Reichstul, a Folha apurou que chegou a ser cogitada a possibilidade de a Petrobras revender as turbinas, pois não existe a hipótese de suspender o contrato com o fabricante. Uma boa parcela do custo das turbinas já foi paga. A Petrobras também cogita guardar as turbinas, até que se decida reativar o programa.
A Folha apurou, no entanto, que o custo de manutenção das turbinas é alto e não existe uma previsão de quando o governo federal poderia reiniciar o programa das termelétricas. De acordo com o que a Folha apurou, o custo de manutenção acertado com os fabricante das turbinas é de cerca de US$ 10 milhões anuais pelo período de 12 anos por usina.

10-dez-2015
O Tribunal de Contas da União, por despacho do ministro Benjamin Zymler, decidiu abrir investigação sobre as usinas térmicas compradas pelo senador Delcídio do Amaral (PT-MS) quando ele era diretor da Petrobras, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) —à época, Delcídio era filiado ao PSDB.
Na quinta-feira (10), a Folha revelou que as quatro termelétricas contratadas pelo senador geraram um prejuízo à estatal maior do que a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

As térmicas, contratadas para evitar um apagão no final do governo FHC, eram do tipo merchant.
Devido a cláusulas de performance, presentes nos contratos, a Petrobras era obrigada a pagar a frustração de receitas das usinas.
Como elas nunca chegaram a dar lucro, a estatal pagou aos sócios R$ 2,8 bilhões -exceção feita à TermoRio, que foi comprada antes de ser concluída.
Prevendo prejuízos maiores, a companhia decidiu adquirir integralmente as usinas por R$ 2,2 bilhões.
No caso da TermoRio, apesar de ter construído a usina praticamente sozinha -a estatal havia investido 86% de todo o capital, mas detinha somente 43% da usina-, a Petrobras enfrentou uma batalha judicial com a NRG para adquirir os 50% da sócia. continuar lendo

Dr: Sérgio Moro, Parabéns!
Sua conduto de coragem, valentia e justiça, irá mudar o animus de muitos corruptos que temos aqui no Brasil. O senhor é um exemplo de cidadão brasileiro. continuar lendo